Empreendedorismo

5 dicas para ser um bom líder

Separamos algumas dicas para melhorar sua liderança. Confira abaixo:

1 – Dê exemplo
Um bom líder, em primeiro lugar, é um exemplo para os subordinados. O gestor só pode cobrar com veemência aquilo que ele mesmo faz.

2 – Tenha equilíbrio emocional
Um líder de qualidade precisa ser suficientemente centrado, a ponto de lidar com calma e jogo de cintura com situações complicadas e conflituosas.

3 – Seja objetivo
Habilidade de comunicação, ser direto em colocações e feedbacks, deixar claro quais são as expectativas para cada projeto ou tarefa são capacidades inerentes a um líder de qualidade.

4 – Seja organizado
Um líder que não sabe do que precisa ou que nunca tem um plano para situações de risco simplesmente não está cumprindo o próprio papel.

5 – Tenha comprometimento
Um líder precisa estar por dentro de todas as atividades realizadas por sua equipe. Ele precisa oferecer suporte, ter sempre um “plano B”, estar sempre presente em reuniões e ajudar na tomada de decisões.

rocharrl5 dicas para ser um bom líder
Leia Mais

Jovens brasileiros investem mais em negócio próprio

Pesquisa mostra que empreendedores entre 18 e 34 anos já somam 15,7 milhões.

Ter a perspectiva de uma carreira profissional no serviço público ou em uma grande empresa já não faz parte do sonho de muitos jovens brasileiros. Cada vez mais eles empreendem mais cedo. Em alguns casos, há quem tenha escolhido deixar um bom emprego para começar um negócio próprio. É o caso dos amigos Thadeu Schettini e Rodrigo Ponte, idealizadores do aplicativo Beleza Certa. Eles abriram mão do emprego em uma empresa de consultoria para investir na plataforma digital de serviços de gestão completa para o promissor setor de beleza brasileiro, considerado o quarto maior mercado do mundo.

Na época, os jovens tinham menos de 30 anos e resolveram apostar, mesmo diante de um cenário de recessão econômica. Thadeu, que é engenheiro de produção, conta como iniciou o negócio. “Estava cortando o cabelo. E, por acaso, o cabeleireiro estava em busca de uma plataforma digital simples para gerenciar o salão. Vi uma oportunidade e chamei o Rodrigo para desenvolvermos a ideia”, diz. Em três meses, a dupla já estava testando o app. Atualmente, o serviço está presente em todos os estados do país.

A realidade dos amigos reflete nas estatísticas divulgadas recentemente pelo Global Entrepreneurship Monitor (GEM). Segundo os dados, o número de empreendedores entre 18 e 34 anos que estão envolvidos na criação do próprio negócio cresceu no ano passado. Já são 15,7 milhões de jovens que estão levantando informações para ter um negócio ou que já têm empresa com até três anos e meio de atividade. Um aumento de 7% comparado ao ano anterior. O estudo também mostrou que um em cada três adultos brasileiros entre 18 e 64 anos é empreendedor ou está envolvido na abertura do próprio negócio. Aumentou de 57% para 59% o percentual de brasileiros que empreendem por oportunidade.

“Sempre sonhei em empreender, mesmo com os contratempos que envolvem ter o próprio negócio no Brasil. Com o conhecimento que adquirimos ao longo desse tempo, queremos ajudar cada vez mais nossos clientes a desenvolverem seus negócios de forma profissional com preço acessível”, explicou o empresário Rodrigo Ponte.

MOTIVAÇÃO

Ainda segundo o relatório GEM, considerando as diferentes faixas etárias, os jovens de 25 a 34 anos foram os mais ativos na criação de novos negócios em 2017. Isso significa que 30,5% dos brasileiros nessa faixa etária estão tentando criar um negócio ou já são proprietários e administram um empreendimento em estágio inicial, com até três anos e meio de criação. Em seguida, nesse ranking aparecem aqueles ainda mais jovens, de 18 a 24 anos, com 20,3% deles envolvidos na criação de novos negócios.

Por RENAN SCHUINDT

https://odia.ig.com.br/economia/empregos-e-negocios/2018/07/5554466-jovens-brasileiros-investem-mais-em-negocio-proprio.html

rocharrlJovens brasileiros investem mais em negócio próprio
Leia Mais

Como evitar que as despesas de final de ano desequilibrem as contas da minha empresa?

O pagamento de 13º salário de funcionários, impostos, férias e festas de confraternização podem se tornar dificuldades para as empresas, agora no final do ano. Uma boa maneira de evitar essa dor de cabeça é programar esses gastos desde o início do ano.

Sabendo que vai ter que desembolsar uma maior quantia nos meses de novembro e dezembro o empreendedor pode prever esses gastos desde janeiro. É essencial também que o empreendedor seja capaz de manter dinheiro guardado, de forma a estar tranquilo, independentemente do faturamento da empresa ao longo do ano.

Mas e quem não se programou? Normalmente a alternativa mais imediata é buscar recursos junto aos bancos para viabilizar esses pagamentos, o que torna a conta ainda maior por conta dos juros. Porém se pensar com calma o empresário pode combinar com fornecedores a postergação dos pagamentos ou negociar o adiantamento das receitas de clientes, de forma a minimizar o débito. Estas soluções, apesar de remediarem, não resolvem o problema maior: a falta de planejamento.

Organizar o orçamento e fluxo de caixa da empresa deve ser um hábito de qualquer gestor, independente de seu faturamento! Uma boa dica para os que ainda não conseguiram por em prática é aproveitar o ano que está iniciando e começar um planejamento do zero!

rocharrlComo evitar que as despesas de final de ano desequilibrem as contas da minha empresa?
Leia Mais

Franquias de pequeno porte crescem 45% em três anos

As empresas que exigem pouco investimento inicial estão em crescimento no Brasil. A quantidade de redes de microfranquias no país cresceu 45% em três anos, passando de 384, em 2013, para 557, em 2016, de acordo com dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF). “São negócios de baixo custo e, por isso, atraem pessoas que querem empreender, mas não têm grande capital para investir no começo”, diz o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos. A média de investimento inicial nesse setor é de R$ 44,1 mil, incluindo taxa de franquia, capital de giro e custos de instalação do negócio. Há negócios ainda que podem ser iniciados com R$ 3 mil, e outros que vão exigir até R$ 90 mil do empreendedor.

Afif explica que a expansão desse setor nos últimos anos está diluída em um conjunto de negócios de franquias de diversos segmentos, tais como moda, alimentação, turismo, saúde e bem-estar, casa e construção, além de comunicação, informática e eletrônica, entre vários outros. “A área de atuação de uma microfranquia depende da demanda local ou do mercado. Mas o fato é que para quem deseja investir nesse setor, tem determinação e perfil comercial, existem inúmeras opções, além disso, o empreendedor deve fazer gestão do investimento e separar bem as finanças e os recursos do negócio e os da vida pessoal e da família”, recomenda o presidente do Sebrae.

De acordo com informações do Portal da ABF, há outros dados positivos. Considerando todo o setor de franquias no Brasil, houve crescimento de 8% no faturamento no primeiro semestre de 2017 (R$ 74,4 bilhões) em relação ao mesmo período do ano passado (R$ 68,8 bilhões).

Apoio ao empreendedor

De acordo com o Sebrae, franquia é um modelo empresarial baseado na venda de licença de uso de um negócio, know-how, estruturas, rotinas, produtos e serviços desenvolvidos por um franqueador. É uma estratégia de mercado para aqueles que desejam iniciar um novo projeto já com bases mais consolidadas, aplicações testadas e certo reconhecimento pelo público-alvo.

Para dar apoio ao empreendedor, o Sebrae oferece uma série de informações e orientações para quem quer investir nesse setor ou que já está inserido no mercado, seja como franqueador ou franqueado. “Três dicas são essenciais para o empreendedor: escolher um negócio com o qual se identifique, fazer avaliação de mercado e valorizar a gestão do negócio. Por isso, antes de investir, é necessário conhecer o sistema de franquia, o seu funcionamento, avaliar o franqueador e analisar a viabilidade econômico-financeiro, além de procurar a unidade do Sebrae mais próxima para buscar orientação, entre outros aspectos”, afirma Afif.

 

Fonte: Empreendedor

virtuaofficeFranquias de pequeno porte crescem 45% em três anos
Leia Mais

10 COISAS QUE VOCÊ PRECISA PARA ABRIR UMA EMPRESA EM CASA

Você teve uma ideia para abrir uma empresa em casa e está prestes a contar para o mundo. Que bom! Antes de por tudo em prática, reserve um tempinho para ler esta lista. São as dez coisas de que você precisa (além de clientes) para começar seu negócio com o pé direito:

1. Em primeiro lugar, um mercado para seus produtos e serviços. Se você ainda não se preocupou com isso, não siga em frente. “Este é um primeiro passo fundamental e é impressionante quantas pessoas montam um negócio sem ter mercado para isso”, conta Jane Applegate, autora e colunista que escreve sobre pequenos negócios. Mesmo conversas podem ajudar a responder muitas perguntas, ela afirma. “Se você quiser decorar bolos em casa, converse com 50 pessoas que você conhece e veja se elas comprariam com você. Converse com as pessoas nos locais que você frequenta. Certifique-se de que há quem queira comprar o que você tem para vender.”

2. Um espaço separado para o seu escritório. Sim, um quarto à parte seria bom. Não é obrigatório. Mas você precisa de uma área que seja inconfundivelmente seu local de trabalho e que possa ser fechada e isolada do resto da casa por divisores, cortinas ou até uma cortina de chuveiro, se é tudo o que você tem.

3. Uma boa estação de trabalho para usar o computador e o laptop. Se você fosse Azriela Jaffe, famosa autora que escreve sobre escritórios em casa, gastaria quase tanto dinheiro em uma cadeira confortável quanto em um computador. “Anos sentando na cadeira errada podem deixá-lo com problemas físicos e má postura”, ela diz. “Eu acho válido o investimento em uma cadeira.” Ela pensa o mesmo a respeito do mouse. “Você precisa de um mouse que não sobrecarregue o seu pulso. Um barato e básico não adianta.” Computador de mesa ou laptop? Como quiser. Atualmente, muitos dos laptops têm os mesmos recursos de um computador, mas com mais mobilidade. Você fica sujeito a um teclado menor e, em muitos casos, não tem mouse. Porém, se você viaja ou fica fora do escritório muito tempo, um laptop pode ser a escolha certa. Se puder, pode ser útil ter o laptop e o computador de mesa.

4. Uma linha de telefone (ou duas) à parte e uma boa conexão. Seus clientes vão gostar de ter as ligações atendidas por você, seu assistente ou uma mensagem profissional, não seu filho, com o cachorro latindo ao fundo. Uma linha telefônica exclusiva para a sua empresa é fundamental.

5. Uma conta bancária à parte. Isso é importante porque não é bom misturar o dinheiro dos negócios com o dinheiro pessoal. Ter uma conta bancária no nome da sua empresa é a coisa certa a fazer.

6. Formalização da empresa. Muitas empresas vão querer ver seu registro antes de fecharem negócios com você, avisa Applegate. Ter CNPJ é importante. Consiga um.

7. Um site e uma conta de e-mail com o nome da empresa. Sim, você precisa de um site para os negócios e para a publicidade. E precisa de um endereço na internet que corresponda ao nome da sua empresa, não uma confusão de letras e símbolos que ninguém memoriza. O mesmo acontece com o endereço de e-mail, uma conta de um servidor de internet. Você não apenas quer parecer profissional, mas quer promover a sua marca. Definitivamente, seu site ajuda sua empresa. Você recebe e-mails do mundo todo. Provavelmente, é a melhor ferramenta de marketing que você pode adotar.

8. Cartões de visita, material de escritório e, talvez, um fax. Os aparelhos de fax são coisa do passado? “Estão se tornando”, pondera Applegate, “mas ainda é necessário algum recurso para mandar fax.” Ela prefere programas de fax, para poder enviar fax pelo computador. Jeff Berner prefere um aparelho de fax padrão, para não precisar escanear os documentos para o computador. Os dois acham boa a ideia de comprar um aparelho multifuncional com recursos de cópia e fax.

9. Seguros de saúde e contra terceiros. Se você largar seu emprego para cuidar da empresa, estará sozinho. Não terá dias fixos para receber o salário. Não terá férias remuneradas. E será responsável por encontrar uma cobertura de seguros. O seguro de saúde é provavelmente o maior espinho para proprietários de pequenas empresas. É caro e, às vezes, difícil de conseguir. Uma das melhores formas de conseguir o seguro de saúde é por meio de organizações comerciais. Você também precisa pensar em um seguro para a empresa.

10. Horas de trabalho regulares e uma vida fora do escritório. Para muitas pessoas, abrir uma empresa em casa significa uma mistura da vida profissional com a pessoal. Donos de empresas em casa com experiência dizem que definiram horários de trabalho regulares e os mantêm. Quando não estão trabalhando, eles fecham as portas do escritório e saem. Da mesma forma, não permitem que as crianças brinquem dentro do escritório quando estão tentando trabalhar. Você estará enganando a si mesmo se achar que pode resolver seus assuntos com um bebê no colo. “Você precisa ser disciplinado”, afirma Applegate. “Você precisa dizer aos seus familiares que só o interrompam se a casa estiver pegando fogo.” Ao mesmo tempo, donos de empresas em casa podem exagerar e se isolar do resto do mundo. “Não se esconda em um casulo”, diz Berner. Mantenha sua rede de amizades e encontre formas de fazer novos amigos, ele aconselha. “Procure outros profissionais que trabalhem com algo parecido para pedir orientação. Saia para almoçar com outras pessoas sempre que for possível.” Isolar-se em seu escritório não apenas destrói sua vida social, mas é ruim para os negócios.

Fonte: Pequenas Empresas Grandes Negócios

virtuaoffice10 COISAS QUE VOCÊ PRECISA PARA ABRIR UMA EMPRESA EM CASA
Leia Mais

5 motivos para se formalizar e se tornar MEI

O processo de formalização da sua empresa pode trazer ainda mais benefícios do que você imagina.

A categoria dos Microempreendedores Individuais (MEI) surgiu com o objetivo de criar melhores condições para que o trabalhador sem carteira assinada possa se regularizar. Para isso é possível se enquadra em mais de 365 atividades elementares como: manicures, costureiras, jardineiros, eletricistas, entre outras.

A formalização pode trazer benefícios diversos ao trabalhador, dentre eles, é possível destacar 5 principais vantagens para os novos e futuros Microempreendedores Individuais:

  1. Contratação de 1 funcionário com menor custo:

O MEI pode contratar 1 funcionário com valor de contratação igual a 11% sobre o salário mínimo ou piso da categoria;

  1. Isenção de taxas para o registro da empresa:

Todo o processo de formalização é unificado, mais barato e menos burocrático. O único custo da formalização é o pagamento mensal de R$ 46,85 (INSS), mais taxa de R$5,00 para prestadores de serviço (ou R$1,00 para Comércio e Indústria). O pagamento é feito através de carnê emitido através do Portal do Empreendedor;

  1. Menor Burocracia:

Através da elaboração da Declaração Anual do MEI o empreendedor fica em dia com suas obrigações fiscais e ainda mantem as finanças organizadas pois precisa fechar as contas do negócio mês a mês

  1. Acesso a diversos serviços bancários, inclusive serviços de crédito:

Com a formalização, o empreendedor tem mais oportunidades de conseguir crédito e financiamentos junto aos Bancos, especialmente os públicos

  1. Emissão de alvará provisório pela internet:

Empresas cadastradas em qualquer atividade seja comércio, serviços ou indústria, precisa de alvará da Prefeitura para iniciar suas atividades. Para o Microempreendedor Individual há a possibilidade de consegui-la sem custos e através do Portal do Empreendedor. O mesmo ocorre para o registro na Junta Comercial.

Com tantos benefícios fica fácil se formalizar, não é mesmo?

virtuaoffice5 motivos para se formalizar e se tornar MEI
Leia Mais

Como a educação financeira contribui para o crescimento das empresas

 

Em um momento de crise aguda como a que passa o País, as micro e pequenas empresas são as que mais sofrem. No entanto, mesmo com o abalo na economia muitos encontram nesse período uma oportunidade de abrir o próprio negócio. O número de MEIs – microempreendedores individuais no Brasil saltou de 4,6 milhões para 6,1 milhões até julho de 2016.

Levantamento produzido pelo Banco Central em parceria com o Sebrae, revelou que a tomada de capital pelas micro e pequenas empresas cresceu 35% entre janeiro de 2012 a agosto de 2016. No mesmo período, a proporção de pequenos negócios com operações de crédito pulou de 29% para 39%.  As microempresas com faturamento em até R$ 360 mil/ano representam 62% do valor total das operações de crédito concedidas às MPEs. O dado é de 2015 e a pesquisa foi realizada com mais de 3 mil pequenos negócios.

Ao passo em que aumenta o número de empresas, o acesso ao crédito é vital para manter o negócio em ascensão. No entanto, mais do que isso, o empreendedor precisa da cidadania financeira para entender as necessidades de gerenciar bem o seu negócio e se apropriar do capital de forma consciente e eficiente. Um dos caminhos é buscar capacitação técnica e profissionais especializados em gestão financeira para MPEs.

“O microcrédito produtivo é um aliado desde que bem usado. Contribui para manter a sustentabilidade de uma empresa, reduz custos, equilibra as contas, pode ser utilizado para pagar compras à vista. Agora, se for para endividar ainda mais, é necessário reavaliar, pois pode se tornar um vilão. ”, explica Ricardo Assaf, presidente da Associação Brasileira das Sociedades de Microcrédito (ABSCM), fundada há 17 anos, no Rio de Janeiro.

O microempresário precisa ter uma atitude positiva em relação ao dinheiro. Um dos fatores primordiais que pode decretar a falência de uma empresa é não saber controlar o próprio fluxo de caixa, ou seja, desconhecer as contas a pagar e o crédito a receber, além de desprezar a utilidade do planejamento.

“Planejar é palavra de ordem, e não se aplica somente à iniciativa, mas à administração do negócio como um todo. Desta forma, é essencial organizar os recursos humanos, materiais e financeiros de modo a garantir que o micro ou pequeno empreendimento seja tocado com tranquilidade, antecipando possíveis imprevistos. Pensar a curto, médio e longo prazo, definir metas, avaliar as alternativas possíveis, monitorar resultados e rever procedimentos são tarefas que impactam diretamente o sucesso de uma empresa”, aconselha José Benício de Oliveira Neto, diretor executivo da ABSCM.

Adaptado de Empreendedor.com

virtuaofficeComo a educação financeira contribui para o crescimento das empresas
Leia Mais

A importância da criatividade no empreendedorismo

Geralmente, não damos atenção a uma das principais características que podem fazer a diferença em nossa vida pessoal e no nosso ambiente de trabalho. Estou me referindo à criatividade. Todos sabemos que ações criativas fazem a diferença e conferem uma posição de destaque, porém, nos acostumamos a simplesmente aceitar que não somos tão aptos a usá-la e acabamos por não aprimorar nosso processo criativo.

A criatividade possibilita que você adquira certa autonomia, que o leva a adotar uma postura empreendedora não só na sua vida profissional, como também na pessoal. Você a utilizará nas situações em que precisa encontrar soluções para determinados problemas. Para aprimorá-la, busque ter ideias que tragam melhorias, pois a chave da criatividade está em ser inovador.

Alguns autores afirmam que o caminho para o sucesso está na capacidade de alocar nossas habilidades criativas para pensar e agir diferente, de forma a ser inovador em todas as situações que nos são apresentadas. Portanto, inovação é o fator principal para se aumentar as chances de atingir o sucesso em todos os aspectos de nossas vidas.
Dessa forma, procure buscar fazer algo diferente, que ninguém nunca fez. Busque soluções alternativas, quebre com os padrões convencionais. Não siga modelos prontos e formulados; foque no resultado desejado e pense em diversas alternativas para alcança-lo. E não desista tão facilmente, persista na procura por algo diferencial, único e benéfico.

É nesse sentido que ser criativo faz toda diferença para o empreendedorismo. Ela deve ser vista como uma ferramenta, que se usada constantemente lhe trará exclusividade e será o meio que o levará a uma posição de destaque. Tente aplicá-la em seu ambiente de trabalho na solução de problemas, na busca por novos métodos e processos que criem um diferencial para empresa, para realizações de tarefas e para otimizar a rotina de trabalho.

O escritor Roberto Menna Barreto sugere uma forma para despertar a criatividade que existe em você e que inclui uma combinação de três fatores básicos, que ele chama de BIP. Eles consistem em bom humor, irreverência e pressão. No contexto atual, a combinação dessas características será a chave para sobrevivência dos negócios.

Outra alternativa para desenvolver seu sistema criativo é trabalhar o brainstorming. Este processo, também conhecido como “tempestade cerebral”, propõe um debate criativo e inovador, que estimula a solução de problemas e o processo de tomada de decisão. Ele também é uma alternativa para lidar com as essas mudanças que nos são impostas, tanto em âmbito pessoal quanto no profissional. Muitas empresas americanas incentivam seus colaboradores a estimularem seu brainstorming através de práticas simples. Trabalham basicamente com projeções futuras, em qual cenário a empresa estará inserida em alguns anos, qual será o perfil e exigências dos clientes, quais obstáculos o mercado apresentará e quais táticas devem ser utilizadas para a inserção do produto.

Esses pontos podem ser aplicados em qualquer aspecto da sua vida. Ser inovador é também ser criativo e estar em sintonia com o ambiente ao seu redor. Uma mente ousada faz a diferença

Fonte: Descola Drops

virtuaofficeA importância da criatividade no empreendedorismo
Leia Mais

Competir ou diferenciar-se, eis a questão

Antes de iniciar a leitura deste artigo, responda: o que é mais importante para você, competir ou diferenciar-se?

Talvez você se sinta dividido em ter de escolher entre uma coisa e outra, já que, para muitas pessoas, elas parecem inseparáveis. Afinal, como é possível competir sem se diferenciar? E para que se diferenciar se não for para competir, certo? Não é à toa que hoje em dia se fala tanto em “diferencial competitivo”.
Pois eu acho que competir e diferenciar-se são coisas opostas. Se você escolhe competir, terá dificuldades em se diferenciar. Se escolhe diferenciar-se, deixa de competir. Muito estranha a minha teoria? Então deixe-me explicá-la e talvez você me dê razão.

Veja, enquanto você estiver preocupado em competir, sua tendência será fazer o que todo mundo faz para atingir determinado resultado. Se por exemplo seus “competidores” fazem certos cursos, leituras e treinamentos, você se sente na obrigação de fazer também, pois não quer ficar em situação de desvantagem. A idéia de competir, na verdade, só fará você se comparar aos outros constantemente e seguir as famosas “tendências do mercado”. Mas desde quando seguir “tendências” é se diferenciar? Seguir “tendências” é se comoditizar, isso sim!

Em vez de competir, você deveria se preocupar mesmo é em concorrer, ou seja, “correr com”, correr junto. Isso significa ter consciência de que cada profissional é único em suas habilidades, potenciais, pontos fortes e fracos. E assim como cada um é único, sua trajetória de desenvolvimento também é única, suas oportunidades e necessidades são únicas, sua carreira é única. A ideia de concorrer nos deixa mais livres para ser nós mesmos e seguir nosso próprio caminho, sem termos de ficar nos comparando com os outros o tempo todo. Isso torna mais fácil descobrir e explorar o nosso diferencial.

Agora, o que entendo por “diferencial” não é aquilo que temos “a mais” quando competimos (o tal do diferencial competitivo), e sim uma característica única, um traço pessoal inimitável, uma marca registrada, algo que nos distingue dos outros. Diferencial é aquilo que só nós sabemos fazer ou fazemos de um modo todo especial; geralmente está ligado a experiências de vida que tivemos, habilidades que desenvolvemos ou talentos que possuímos.

Não é segredo para ninguém que apostar no diferencial profissional é a chave para uma carreira bem-sucedida. O problema é que muitas pessoas têm dificuldade em reconhecer o que têm de diferente, já que estão muito acostumadas a se comparar com os outros. Um caso que considero típico é o de um gerente de compras que andava desanimado com a falta de perspectivas de carreira, apesar de todos os esforços que fazia para manter-se competitivo. Em um desabafo com o chefe, disse que estava pensando em mudar de área – e o chefe, preocupado em manter um bom funcionário, argumentou: “Você tem futuro aqui, é o melhor negociador deste departamento”. A conversa serviu para indicar ao gerente de compras qual era o diferencial dele. A partir daí, investiu em sua habilidade de negociador, mudou para a área de vendas e sua carreira enfim deslanchou.

Moral da história: se você não consegue perceber qual é o seu diferencial, preste atenção no que os outros dizem a seu respeito. Pergunte que qualidades veem em você, repare nos elogios que recebe, identifique aquilo que você faz como ninguém.

Por Leila Navarro para blog Atitude

virtuaofficeCompetir ou diferenciar-se, eis a questão
Leia Mais

As Armadilhas do Crescimento

Crescer pelos caminhos certos é desafiador, mas rende ótimos resultados. Saiba como não desviar da essência da empresa

Maria sempre foi inquieta. Desde pequena queria fazer algo que deixasse uma marca positiva no mundo — e não demorou muito até abrir sua primeira empresa. Cansada das soluções que o mercado de tecnologia oferecia, ela e sua amiga juntaram todas as economias, apostaram em um sonho e começaram a colocar a mão na massa. Em menos de cinco anos o negócio já tinha ganhado um lugar no mercado e crescia quase 100% ao ano. Tudo parecia ir bem, até que os números começaram a cair.

Por mais que os resultados gerais ainda fossem bons, não eram os mesmos dos primeiros anos do negócio. Para acabar com esse gap, Maria apostou em uma nova linha de produtos. O problema era que eles não tinham uma ligação tão clara com o core business do negócio — mas desesperadas para crescer a qualquer custo, as sócias ignoraram essa informação. E de um novo produto veio um novo serviço, um novo modelo de negócio e, sem perceber, ideia atrás de ideia, elas começavam a se afastar da essência da empresa. É aí que mora o perigo.

Um dos erros mais comuns cometidos por empreendedores na hora de expandir é a falta de foco. Muitas empresas passam por um período de crescimento muito alto mas que, com o tempo, diminui. Na loucura de querer fazer o negócio voltar a crescer, os empreendedores acabam trocando os pés pelas mãos e atirando para todo lado, assim como a nossa amiga Maria. Se esse é seu caso, não se desespere, a solução para esse dilema é relativamente simples: tire um tempo para refletir.

Conheça outros negócios, converse com alguns colaboradores e clientes e só depois disso estruture a nova estratégia da empresa. Por mais que a queda nos resultados não seja o melhor dos cenários, ela é uma ótima forma de repensar pontos essenciais ao seu negócio. Diego Torres, fundador da Acesso Digital, já viveu muitas experiências e compartilhou 3 pontos que podem ajudar, e muito, quem está enfrentando essa dor:

  1. Os empreendedores que se concentram em um produto, na sua essência e proposta inicial, são os que sobrevivem. Muitos podem criar mais produtos, mais empresas, mas quando vendem “qualquer coisa”, perdem clientes — abandonam o propósito original;
  2. A reflexão interna, pensando no que o move e nos seus objetivos, deve ser diária. Temos muita pressão para crescermos o tempo inteiro, mas nem sempre refletimos sobre como queremos fazer isso, ou qual é o nosso objetivo final com o negócio; e
  3. É importante montar times de discussão dentro da empresa, pensando em possíveis caminhos ao longo do crescimento, porque em algum momento haverá pressão para que você siga caminhos específicos. Pensando antes, com seu time, você tem mais argumentos para decidir se um caminho daria certo ou se não deve ser seguido.

Mesmo agindo de acordo com esses pontos, a chance de errar em algum momento sempre existe. O fracasso faz parte da jornada de qualquer empreendedor, e isso não é ruim, apenas significa que você formulou alguma pergunta errada no desenvolvimento da ação e precisa reformular algumas ideias.

Um dos modelos de time que mais funciona, e que tem sido bastante utilizado por empresas de sucesso, é o de áreas descentralizadas. Nesse formato, há pequenos times, normalmente de até 8 pessoas, com um objetivo comum/problema a ser resolvido. São como várias “microempresas” dentro da empresa, com pessoas de áreas diferentes. Agora, se mesmo assim seu time ainda não estiver mostrando bons resultados, uma técnica utilizada por empresas com ritmo de crescimento frenético, como o Google, é a estrutura de incentivo.

A ideia dessa estrutura se baseia em várias formas de avaliações e processos para que seus colaboradores se sintam “pressionados” de uma maneira positiva. Se a sua empresa não está acostumada a trabalhar nesse formato, é bem provável que haja resistência durante a implementação por parte de funcionários, mas ela deve ser feita mesmo assim. Conhecer um pouco mais sobre sistema de metas e cultura de resultados, além de ferramentas como o OKR -sistemas de metas que ajuda alinhar e engajar o time em torno de metas, tipicamente trimestrais – também pode ajudar bastante.

Por mais duro que seja a organização, em alguns momentos, deve vir em primeiro lugar. Se houver resistência e algumas pessoas saírem – ou tiverem que ser demitidas – isso acontecerá em prol da cultura e eficiência da empresa. Manter a empresa rodando nem sempre é fácil, na maior parte das vezes exige muito foco e paciência, mas vale a pena.

Por Endeavor.

 

virtuaofficeAs Armadilhas do Crescimento
Leia Mais