Escritório Virtual

5 motivos para se formalizar e se tornar MEI

O processo de formalização da sua empresa pode trazer ainda mais benefícios do que você imagina.

A categoria dos Microempreendedores Individuais (MEI) surgiu com o objetivo de criar melhores condições para que o trabalhador sem carteira assinada possa se regularizar. Para isso é possível se enquadra em mais de 365 atividades elementares como: manicures, costureiras, jardineiros, eletricistas, entre outras.

A formalização pode trazer benefícios diversos ao trabalhador, dentre eles, é possível destacar 5 principais vantagens para os novos e futuros Microempreendedores Individuais:

  1. Contratação de 1 funcionário com menor custo:

O MEI pode contratar 1 funcionário com valor de contratação igual a 11% sobre o salário mínimo ou piso da categoria;

  1. Isenção de taxas para o registro da empresa:

Todo o processo de formalização é unificado, mais barato e menos burocrático. O único custo da formalização é o pagamento mensal de R$ 46,85 (INSS), mais taxa de R$5,00 para prestadores de serviço (ou R$1,00 para Comércio e Indústria). O pagamento é feito através de carnê emitido através do Portal do Empreendedor;

  1. Menor Burocracia:

Através da elaboração da Declaração Anual do MEI o empreendedor fica em dia com suas obrigações fiscais e ainda mantem as finanças organizadas pois precisa fechar as contas do negócio mês a mês

  1. Acesso a diversos serviços bancários, inclusive serviços de crédito:

Com a formalização, o empreendedor tem mais oportunidades de conseguir crédito e financiamentos junto aos Bancos, especialmente os públicos

  1. Emissão de alvará provisório pela internet:

Empresas cadastradas em qualquer atividade seja comércio, serviços ou indústria, precisa de alvará da Prefeitura para iniciar suas atividades. Para o Microempreendedor Individual há a possibilidade de consegui-la sem custos e através do Portal do Empreendedor. O mesmo ocorre para o registro na Junta Comercial.

Com tantos benefícios fica fácil se formalizar, não é mesmo?

virtuaoffice5 motivos para se formalizar e se tornar MEI
Leia Mais

O que podemos fazer para acabar com a complexidade tributária

 

complexidade

A complexidade tributária nem sempre é um tema que desperta interesse entre os empreendedores, mas deveria. Você sabia que entender os processos burocráticos pode ser a chave para uma vida mais simples?

A atividade do empreendedor brasileiro enfrenta dois sérios obstáculos de natureza tributária: a carga tributária é elevada e as obrigações acessórias são complexas e custosas. Quando falamos em obrigações acessórias estamos nos referindo a: informar-se das exigências das leis tributárias; inscrever-se nos vários cadastros; receber e assistir as auditorias tributária e a lista não para por aí.

Isso para cada um dos múltiplos impostos, taxas e contribuições federais, estaduais e municipais. Ao contribuinte a lei até impõe a tarefa quase impossível de informar, no documento fiscal, o total de tributos incluídos no preço dos produtos que vende.

Na verdade, segundo a Pesquisa de Desafios dos Empreendedores, os empreendedores gerais, que representam a maioria das empresas brasileiras com crescimento comum, citam a burocracia e suas legalidades como um de seus maiores desafios. Para se ter uma visão em números, 1 em cada 5 empreendedores desse grupo afirma que a burocracia é o principal desafio do seu negócio.

  • O empreendedor sofre as consequências da complexidade tributária

No Brasil, cabe ao empreendedor calcular e recolher os tributos, além de interpretar a legislação por conta própria. O contribuinte também não conta com orientação clara e temporânea do fisco e acaba tendo que calcular e pagar o imposto assumindo o risco de erro de interpretação. E para piorar a situação, o fisco se reserva ao direito de revisar o pagamento nos cinco anos seguintes e se encontrar, segundo seu entendimento, qualquer insuficiência exigirá o imposto acrescido de multas pesadas e juros.

Os tribunais administrativos e judiciais estão abarrotados de processos tributários, cujo valor, em muitos casos, se aproxima do patrimônio líquido do contribuinte. Há até casos em que o contribuinte, em relação a uma mesma operação, é autuado por dois entes públicos, o estado exigindo ICMS e o município exigindo ISS.

Mesmo nos casos em que a norma tributária é clara, ela frequentemente abstrai dos custos de cumprimento. O fisco sabe quanto custa, para ele, arrecadar e fiscalizar os tributos, mas não tem ideia de quanto o cumprimento das normas custa ao contribuinte. Não se percebem esforços de simplificação. O regulamento de apenas um dos impostos, o ICMS no estado de São Paulo, tem 170 mil palavras. A complexidade tributária é uma bola de ferro amarrada aos pés do empreendedor.

  • A complexidade emana do desenho das leis tributárias

Como resquício colonial, as leis tributárias, desde a constituição política até as resoluções menores das atividades fazendárias, frequentemente guiam-se pelo que Fernando Rezende chamou de “princípio da comodidade”.Em outras palavras, o fisco busca sempre o arranjo que assegure o máximo de arrecadação e o mínimo de trabalho, sem preocupação com os custos para o contribuinte e o empresário responsável.

Exemplos disso são o chamado cálculo “por dentro” que consiste na cobrança de imposto sobre imposto, as restrições artificiais à dedução de custos, a tributação em separado de bens (ICMS) e serviços (ISS) sem crédito recíproco, a substituição tributária que transforma impostos ao consumo em impostos à produção, a multiplicidade de alíquotas. E por aí vai.

Some isso à proliferação de regimes especiais – isenção, redução de base de cálculo – e os inúmeros incentivos fiscais que, sem avaliação de seus resultados, mais se assemelham a privilégios concedidos aos melhor conectados. Os muitos benefícios fiscais não permitem que as alíquotas dos principais impostos sejam reduzidas a níveis mais razoáveis como as praticadas no resto do mundo.

  • Leis complexas + a mão forte do fisco

As administrações fiscais brasileiras ainda se baseiam no paradigma do crime e castigo, na percepção de que em cada contribuinte se esconde um sonegador. Falta a essas administrações a organização de seu trabalho segundo análise de riscos, de maneira que os contribuintes cumpridores de suas obrigações recebam tratamento diferenciado e o esforço de repressão se concentre nos casos de fraude. Isso é o que já se faz em muitos países com excelentes resultados. Para isso:

  1. O fisco precisa assumir a responsabilidade de interpretar a lei, ainda antes que ela entre em vigor. Fazer interpretações retroativas é deslealdade;
  2. O contribuinte tem o direito de conhecer a opinião do fisco sobre como sua atividade deve ser tributada antes de praticar atos com efeitos tributários;
  3. As páginas de internet do fisco devem ser amigáveis e solucionar dúvidas em linguagem simples;
  4. Deve haver canais de orientação para escalar dúvidas difíceis de solucionar na internet;
  5. Deve haver espaço para diálogo entre fisco e contribuinte na aplicação das normas tributárias.
  • Bases para um sistema tributário orientado para o desenvolvimento

Devido à sua complexidade, volatilidade, imprevisibilidade, inequidade, opacidade e incerteza, o sistema tributário brasileiro é um entrave ao desenvolvimento econômico e social do país. Não se trata de discutir aqui o tamanho da carga tributária, mas a maneira como ela é arrecadada.

A ARRECADAÇÃO DE R$ 1 EM TRIBUTO PELO GOVERNO CUSTA AO SETOR PRIVADO R$ 1 MAIS UM “PESO MORTO” CONSIDERÁVEL: SÃO OS MÚLTIPLOS CUSTOS DE CUMPRIMENTO PELO CONTRIBUINTE.

Aqui vemos um excerto da Constituição que ilustra a complexidade do sistema tributário: como pode o cidadão comum entender o principal documento da cidadania?

“§ 1º A vedação do inciso III, b, não se aplica aos tributos previstos nos arts. 148, I, 153, I, II, IV e V; e 154, II; e a vedação do inciso III, c, não se aplica aos tributos previstos nos arts. 148, I, 153, I, II, III e V; e 154, II, nem à fixação da base de cálculo dos impostos previstos nos arts. 155, III, e 15”

A complexidade é o principal desses custos e boa parte dela é desnecessária. A Constituição brasileira traz mais palavras sobre tributos que qualquer outra constituição no planeta. O ICMS e o ISS deviam ser unificados em um imposto geral sobre o consumo (IGC) de base uniforme em todo o país, na forma de arrecadação estadual e receita compartilhada com os municípios.

As contribuições federais, PIS e Cofins, devem ser unificadas em uma contribuição geral sobre o consumo (CGC) com base igual à do IGC. O IPI devia ser aplicado apenas na importação ou na fabricação, estágio único, e limitado a alguns poucos produtos como tabaco, bebidas alcoólicas e combustíveis. Tanto o IGC quanto a CGC deviam desonerar completamente o investimento e a exportação, com a pronta devolução dos créditos acumulados. Os incentivos fiscais deviam ser gradualmente eliminados.

O imposto de renda sobre empresas (IRPJ) devia ser unificado com a contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL). A tributação dos lucros obtidos no exterior devia ser revista, em linha com a melhor experiência internacional, para permitir que o Brasil possa atrair hubs ou centros de negócios regionais ou globais.

A eliminação de incentivos fiscais e regimes especiais deve abrir espaço para a adoção de alíquotas tributárias mais moderadas, que por si só já constituem incentivo adicional ao cumprimento voluntário.

SEM PRIVILÉGIOS A TRIBUTAÇÃO SE TORNA MAIS JUSTA E ONDE TODOS PAGAM, TODOS PAGAM MENOS.

As administrações tributárias deviam unificar seus cadastros e procedimentos de registro e baixa (one stop shop) de empresas. Deviam, além disso, utilizar o maior controle permitido pela nota fiscal eletrônica e sistema digital de contabilidade para diminuir as obrigações acessórias que pesam sobre os contribuintes.

Ainda é importante lembrar que os fiscos deviam adotar uma nova atitude de facilitação de negócios. O empresário deve ser visto não como antagonista, mas como agente que recolhe do contribuinte final e entrega ao fisco o montante do tributo. Todo esforço deve ser feito para que cumpra bem e cooperativamente essa função. O peso da lei deve ser reservado aos fraudadores.

É possível simplificar significativamente o pagamento de impostos no Brasil. Os frutos dessa simplificação serão mais atividade, mais emprego, mais renda, mais crescimento da economia. E também mais arrecadação tributária! Que tal nos unirmos em prol desta reforma em que todos ganham?

Por , para Endavor

virtuaofficeO que podemos fazer para acabar com a complexidade tributária
Leia Mais

Formalize sua empresa e trabalhe sem sair de casa!

O serviço de aluguel de caixa postal é ideal para empresas ou profissionais liberais que necessitem de endereço fiscal, sem se preocupar com gastos e outras manutenções de um local físico!

Temos planos em 3 endereços, venha conferir!

  • Unidade Centro: Rua da Aurora, 295 – sala 502 -Boa Vista – Fone (81) 3222-0131
  • Unidade Boa Viagem: Rua Irene Gomes de Matos, 97 -Boa Viagem – Fone (81) 2125-6000
  • Unidade Shopping: Av. Fernando Simões Barbosa, 266 – 4° andar -Boa Viagem – Fone (81) 3033-9898.
virtuaofficeFormalize sua empresa e trabalhe sem sair de casa!
Leia Mais

Com a sala de estudos Virtua Office você foca apenas no seu sucesso !

Conte conosco para oferecer o suporte que você precisa para focar em seus estudos.

 Entre em contato para mais informações e valores:

  – Unidade Boa Viagem: (81) 2125-6000

  – Unidade Shopping: (81) 3033-9898

  – Unidade Centro: (81) 3222-0131

  – Email: faleconosco@virtuaoffice.com.br

virtuaofficeCom a sala de estudos Virtua Office você foca apenas no seu sucesso !
Leia Mais

Em breve novo site Virtua Office

Sempre pensando em melhorar a comunicação e a interação com nossos clientes, em parceria com a ItGoal, estamos desenvolvendo um website mais moderno com todas as informações da Virtua Office para você.

O site atenderá aos novos conceitos da tecnologia, com design inovador, responsivo para smartphones e tablets e layout intuitivo.

Você irá conhecer nossas instalações, serviços e poderá fazer um cadastro para receber todas as nossas informações.

Entre em contato e conheça nosso atendimento e a qualidade de nossos serviços.

Telefone: (81) 2125-6000 / 3033-9898 / 3222-0131

E-mail: faleconosco@virtuaoffice.com.br 

Unidades:

  • Centro: Rua da Aurora, bairro da Boa Vista;
  • Boa Viagem: próximo à Av. Domingos Ferreira, a 8 km do centro do Recife e a    6 km do Aeroporto dos Guararapes;
  • Shopping Recife: em Boa Viagem ao lado do Shopping Recife e a 3 km do Aeroporto.
virtuaofficeEm breve novo site Virtua Office
Leia Mais